quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

'Mystery of Love'




Banda sonora de Sufjan Stevens para "Call me by your name", de Luca Guadagnino, com Armie Hammer, Timotheé Chalamet, Michael Stuhlbarg, Amira Casar e Esther Garrel.

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Brilliant hour

Resultado de imagem para Gary Oldman darkest hour end scene gif

Não é a primeira vez que Gary Oldman justifica um óscar, mas este ano é exagero.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Aimor

Resultado de imagem para Aimar  Benfica gif


-- A melhor versão de Pablo Aimar: River ou Valencia?

-- Eu creio que a minha melhor versão talvez tenha sido em Lisboa. Era uma equipa muito grande, jogando bem a número 10, atrás de Javier [Saviola] e Cardozo. Com Di Maria de um lado e Ramires, a número 8. Jogava Maxi Pereira, Luisão, David Luiz, que no passe interior era espetacular; e Coentrão, que foi para o Real Madrid e voltou para o Sporting; Javi Garcia de "cinco" (trinco), que esteve no City. Creio que quando joguei melhor, que estava bem fisicamente, e já via muitas mais coisas foi aí...

calidad ESPN

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

'Fever Pitch', de Nick Hornby

Imagem relacionada

«I fell in love with football as I was later to fall in love with women: suddenly, inexplicably, uncritically, giving no thought to the pain or disruption it would bring with it.
In May '68 (a date with connotations, of course, but I am still more likely to think of Jeff Astle than of Paris), just after my eleventh birthday, my father asking me if I'd like to go with him to the FA Cup Final between West Brom and Everton; a colleague had offered him a couple of tickets. I told him that I wasn't interested in football, not even in the Cup Final - true, as far as I was aware, but perversely I watched the whole match on television anyway. A few weeks later I watched the Man Utd - Benfica game, enthralled, with my mum, and at the end of August I got up early to hear how United had got on in the final of the World Club Championship. I loved Bobby Charlton and George Best (I knew nothing about Denis Law, the third of the Holy Trinity, who had missed the Benfica match through injury) with a passion that had taken me completely by surprise; it lasted three weeks, until my dad took me to Highbury for the first time.
(...)
It is hard for me, and for many of us, to think of years as being self-contained, with a beginning on 1st January and an ending 365 days later. (...) Football fans talk like that: our years, our units of time, run from August to May (June and July don’t really happen, especially in years which end with an odd number and which therefore contain no World Cup or European Championship). Ask us for the best or the worst period in our lives and we will often answer with four figures — 66/67 for Manchester United fans, 67/68 for Manchester City fans, 69/70 for Everton fans, and so on — a silent slash in the middle of them the only concession to the calendar used elsewhere in the western world. We get drunk on New Year’s Eve, just as everyone else does, but really it is after the Cup Final in May that our mental clock is wound back, and we indulge in all the vows and regrets and renewals that ordinary people allow themselves at the end of the conventional year.
(...)
Football is a context where watching becomes doing — not in the aerobic sense, because watching a game, smoking your head off while doing so, drinking after it has finished and eating chips on the way home is unlikely to do you a whole lot of Jane Fonda good, in the way that chuffing up and down a pitch is supposed to. But when there is some kind of triumph, the pleasure does not radiate from the players outwards until it reaches the likes of us at the back of the terraces in a pale and diminished form; our fun is not a watery version of the team’s fun, even though they are the ones that get to score the goals and climb the steps at Wembley to meet Princess Diana. The joy we feel on occasions like this is not a celebration of others’ good fortune, but a celebration of our own; and when there is a disastrous defeat the sorrow that engulfs us is, in effect, self-pity, and anyone who wishes to understand how football is consumed must realise this above all things. The players are merely our representatives, chosen by the manager rather than elected by us, but our representatives nonetheless, and sometimes if you look hard you can see the little poles that join them together, and the handles at the side that enable us to move them. I am a part of the club, just as the club is a part of me; and I say this fully aware that the club exploits me, disregards my views, and treats me shoddily on occasions, so my feeling of organic connection is not built on a muddle-headed and sentimental misunderstanding of how professional football works. 
(...)
It worries me, the prospect of dying in mid-season like that, but of course, in all probability I will die sometime between August and May. We have the naive expectation that when we go, we won’t be leaving any loose ends lying around: we will have made our peace with our children, left them happy and stable, and we will have achieved more or less everything that we wanted to with our lives. It’s all nonsense, of course, and football fans contemplating their own mortality know that it is all nonsense. There will be hundreds of loose ends. Maybe we will die the night before our team appears at Wembley, or the day after a European Cup first-leg match, or in the middle of a promotion campaign or a relegation battle, and there is every prospect, according to many theories about the afterlife, that we will not be able to discover the eventual outcome. The whole point about death, metaphorically speaking, is that it is almost bound to occur before the major trophies have been awarded. (...) 
I do not wish to die in mid-season but, on the other hand, I am one of those who would, I think, be happy to have my ashes scattered over the Highbury pitch (although I understand that there are restrictions: too many widows contact the club, and there are fears that the turf would not respond kindly to the contents of urn after urn). It would be nice to think that I could hang around inside the stadium in some form, and watch the first team one Saturday, the reserves the next; I would like to feel that my children and grandchildren will be Arsenal fans and that I could watch with them. It doesn’t seem a bad way to spend eternity
(...)
There was a little hiccup at the beginning of the season, but the team had found their form by the time the European Cup started in the middle of September: they crushed the Austrian champions 6-1, a magnificent performance which we believed would scare the rest of the continent rigid. We drew Benfica of Portugal in the next round, and I travelled on one of the two supporters’ club planes to Lisbon, where we hung on for a creditable 1-1 draw in front of eighty thousand Portuguese in the intimidating Stadium of Light. In the return at Highbury, however, we got stuffed, overrun, outplayed, and it was all over, maybe for another twenty years.»

NB: Lembro-me bem deste último jogo. Começámos a perder, mas dois golos do profeta Isaías e um do Kulkov já no prolongamento e a História a apresentar-se toda em Highbury.


Resultado de imagem para arsenal benfica 1991 Isaías gif

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

"cuando yo te vuelva a ver no habrá más pena ni olvido"


"Na minha infância, o grito «Ao Colón ! Ao Colón !» ressoava, insolitamente, nos estádios de futebol e nos salões populares onde se dançava o tango ao som das orquestras chamadas típicas. Era o espontâneo reconhecimento popular das virtudes de um goleador insigne ou de um cantor tanguero como manda a lei merecedor de levar a sua arte para o maior cenário do país e da América do Sul. Era também, e sobretudo, o reconhecimento do Teatro Colón como cenário ilustre, orgulho dos argentinos, que acolhia os artistas mais importantes do mundo. Por mais de uma vez, ao passar casualmente pelo Colón numa gélida manhã invernal, ou numa pesada tarde do penoso verão portenho, e ao ver a multidão que faz fila para adquirir ingresso, formada por todas as classes sociais, todas as idades, todos os ofícios, pensei - opondo-me aos detractores que continuam a falar do Colón como um antro de elitistas - quão afortunado é um país que pode contar com uma elite assim." 

E lembraram-se então da noite em que entraram no Teatro Colón, da rua Cerrito encaixada na 9 de Julho.
O cartaz anunciava o espectáculo: Gerardo Gandini, do sexteto Piazolla (piano), temporada 2003, às 20h30. Eram 20h30. E era Setembro.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

3 cartazes à beira do Óscar



"3 Billboards outside Ebbing, Missouri"

domingo, 21 de janeiro de 2018

'Patience', por Daniel Clowes



«And the more I saw - the further my embers drifted into the everlasting endlessness - the more it all seemed to matter: every moment, every choice, every cell division as hospitable to scrutiny as the last inning of a tied world series or the hair fibers from an unsolved kidnapping, all affirming forever the one unassailable truth.»

sábado, 20 de janeiro de 2018

"Eu acredito em Woody Allen", de Alexandra Lucas Coelho


«Imaginem quem começa agora a ver cinema e é apresentado a Woody Allen como molestador: nunca será apresentado a Woody Allen. Boa altura para lhe mostrar os filmes, e explicar duas ou três coisas sobre Hollywood. Sobre as pessoas, em geral.
1. Como incontáveis milhões de pessoas, cresci com Woody Allen. Não há nenhum cineasta, vivo ou morto, de quem tenha visto tantos filmes. E ouvi bandas sonoras, li peças, contos. Woody Allen é, em si, um cinema, uma cidade, uma escrita, um humor. Não sei se existe mais algum judeu nova-iorquino como ele, aliás, de certeza que não, mas todos os judeus nova-iorquinos receberam esse presente genial de passarem a ser ele, tal como o mundo tem muito mais graça por causa dele.
Isto dito, não é por isto que acredito em Woody Allen. É porque os factos que conheço, as investigações e peripécias desta tragédia greco-americana que é a acusação de abuso sexual contra ele, tudo isso ponderado me faz acreditar em Woody Allen, e não acreditar em Mia Farrow.
Acreditar/não acreditar são convicções, falo por mim, por isso o título está na primeira pessoa, e não é “Woody Allen está inocente”. Não posso afirmar que Woody Allen esteja inocente, claro, é possível que não. Mas a minha convicção é a oposta. Não apesar dos factos, como a convicção de outras figuras deste caso. Mas, repito, por causa dos factos.
Quando comecei a ler os relatos do caso para esta crónica não sabia onde iria dar. Não decidi escrevê-la para defender Woody Allen, mas para perceber o que se pudesse perceber com algum tempo de pesquisa online. Não tinha ideia do que concluiria, muito menos de qual seria o título. O que sabia à partida era o que ao longo dos anos fui retendo, sempre que o alegado abuso voltava às notícias, e do que fui retendo havia algo destrambelhado em Mia Farrow. Talvez a diferença entre um neurótico inofensivo (Allen) e alguém eventualmente perigoso (Farrow). Mas eu estava longe de ter a dimensão épica, grega da coisa. E agora, aqui chegada, qualquer outro título seria um rodeio. (...)» 
Continuar a ler

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Wild, com Reese Witherspoon

"If your nerve deny you, go above your nerve.”
Emily Dickinson (and Cheryl Strayed)

sábado, 13 de janeiro de 2018

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Belle Toujours


(Patrick Swirc)

« Nous défendons une liberté d’importuner, indispensable à la liberté sexuelle »

Tribune. Le viol est un crime. Mais la drague insistante ou maladroite n’est pas un délit, ni la galanterie une agression machiste.
A la suite de l’affaire Weinstein a eu lieu une légitime prise de conscience des violences sexuelles exercées sur les femmes, notamment dans le cadre professionnel, où certains hommes abusent de leur pouvoir. Elle était nécessaire. Mais cette libération de la parole se retourne aujourd’hui en son contraire : on nous intime de parler comme il faut, de taire ce qui fâche, et celles qui refusent de se plier à de telles injonctions sont regardées comme des traîtresses, des complices !
Or c’est là le propre du puritanisme que d’emprunter, au nom d’un prétendu bien général, les arguments de la protection des femmes et de leur émancipation pour mieux les enchaîner à un statut d’éternelles victimes, de pauvres petites choses sous l’emprise de phallocrates démons, comme au bon vieux temps de la sorcellerie.
Délations et mises en accusation
De fait, #metoo a entraîné dans la presse et sur les réseaux sociaux une campagne de délations et de mises en accusation publiques d’individus qui, sans qu’on leur laisse la possibilité ni de répondre ni de se défendre, ont été mis exactement sur le même plan que des agresseurs sexuels. Cette justice expéditive a déjà ses victimes, des hommes sanctionnés dans l’exercice de leur métier, contraints à la démission, etc., alors qu’ils n’ont eu pour seul tort que d’avoir touché un genou, tenté de voler un baiser, parlé de choses « intimes » lors d’un dîner professionnel ou d’avoir envoyé des messages à connotation sexuelle à une femme chez qui l’attirance n’était pas réciproque.
Cette fièvre à envoyer les « porcs » à l’abattoir, loin d’aider les femmes à s’autonomiser, sert en réalité les intérêts des ennemis de la liberté sexuelle, des extrémistes religieux, des pires réactionnaires et de ceux qui estiment, au nom d’une conception substantielle du bien et de la morale...


"Le Monde", 9.01.2018, por Catherine Deneuve e 100 outras mulheres

para o resto procurar aqui

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

"Caldas apura-se pela primeira vez para as meias-finais da Taça de Portugal"



O Avô Fontinha (antigo presidente) estaria orgulhoso.

Shigeru Mizuki


Shigeru Mizuki só tem um braço, perdido para um estilhaço na IIª Guerra Mundial. Mas não foi isso que impediu que este, agora nonagenário, se tornasse num dos mais virtuosos artistas de Manga, a banda desenhada japonesa. 
'Onward Towards Our Noble Deaths' é a história, com incrível humor e acidez, da sua própria experiência como soldado. De como as coisas são diferentes quando vistas do outro lado da trincheira. 
E ler um livro que abre ao contrário, de trás para a frente, e da direita para a esquerda, é uma forma linda de o perceber.

Saying it's for the good of your country
Fool volunteering
For that rotten army
Leaving sweet Sue behind in tears

Forced awake at the crack of dawn
Swabbing and sweeping
Pushed around by fools above him
Long days spent in tears

"Kawaii Su-Chan" 

sábado, 6 de janeiro de 2018

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

the Big Bang

(Roy Lichenstein)

Reconheceria sempre aquela voz.
No outro lado do balcão da livraria: a voz. 
Estava já na caixa e preparava-se para pagar o livro, mas abandonou tudo no momento em que escutou aquela voz. Nasal e rouca. Curtida um pouco mais pelo tabaco. Levantou o queixo e olhou demoradamente, como se tivesse despertado de um sono longo. Com o cuidado com que se tratam os sonâmbulos. E observou o dono da voz. A dona. Comentava qualquer coisa com a funcionária da livraria. Tinha passado para o outro lado do balcão onde já reunira uma pilha de livros que ia levar com ela. Seria possível ? O cabelo todo branco agora. Puxado bem atrás e apanhado num rabo de cavalo volumoso. Os óculos tombando no nariz, talvez com mais graduação. Que a encolhiam no tamanho. Ou era ele que se sentia mais alto. Tinham passado 23 anos.

Do 10º ao 12º ano tive o professor mais difícil que se pode ter. A Professora. 

Ainda a revolução estava no princípio - a do 9º ano, dos Nirvana, contra os professores e contra a escola, ou contra quem mandava em geral -, e tinha agora pela frente uma professora nova. Uma disciplina nova. Filosofia. A curiosidade mandava pôr tudo on hold.
Alguém espalhou nos corredores que era uma professora universitária (o que só por si impunha respeito) que agora tinha vindo dar aulas ao Secundário. 
Fama já tinha. Mistério também. 
Mal a encarámos na aula nº 1, e levámos logo com um enunciado na cara: 2 + 2 = 4. E uma série de linhas em branco. Agora dissertem sobre isto.
Pela primeira vez na minha vida escolar recebi um shot de adrenalina diferente dos outros. Este não era por me porem à prova. Uma adrenalina virgem. Percebi mais tarde que era a liberdade a mergulhar em êxtase. Podia pensar e dizer tudo o que eu quisesse. Aprender a pensar e a dizer. Em livre. Foi aí que tive a certeza de que não podia haver respostas erradas e que não havia castigo ou nota baixa. Só precisava de deixar a caneta falar. 
Obviamente que contestei o enunciado e libertei-me. 
O problema agora era outro: como é que podia revoltar-me contra uma professora que nos deixava pensar? Que nos incitava a isso ? Que nos puxava para fora da infância intelectual? A revolução parecia condenada.
O que eu não sabia é que a revolução agora era outra e que a partir daí eu nunca mais seria igual. Que de cada vez que eu entrasse na sala de aula devia estar preparado para uma luta de esgrima. Porque foi o que aconteceu. Durante aqueles três anos, a aula de Filosofia era um duelo. Com debate até ao fim. Sem limite (excepto o das horas). Com pontos de interrogação a romperem-nos no meio da testa, fazendo ruir todas as certezas do nosso pequeno edifício pessoal. Interpelados a duvidarmos até de nós próprios. Até ao ponto de, chamado ao quadro, e quando já só pensava em fechar uma discussão, ainda ter que a ouvir: "Não, André, contra factos, há ARGUMENTOS !" E eu a desmoronar-me todo por dentro. 
A construção passaria a ser feita à luz da secretária. Com os autores que passámos a ler. Sócrates, Platão, Aristóteles, Descartes, Hegel, Feuerbach, Kierkegaard. E com os livros que me recomendava. 'Assim falava Zaratustra' (no comboio para Oeiras), 'Fundamentação da Metafísica dos Costumes' (onde quer que tenha sido), ou outros de Bertrand Russell e de Ortega y Gasset. Com os textos complicados e que demoravam a entender. Prateleiras carregadas de frases e conceitos que exumávamos mas que só agora tenho maturidade para compreender na totalidade. Que eram ondas gigantes em que mergulhávamos. À procura de mais oxigénio. 
2 + 2 não eram 4. Nunca mais seriam.

E tudo porque naquele dia tinha feito um desvio até à livraria do CCB para ir comprar o último do Lobo Antunes.

Tinha de lhe contar isto tudo, Professora Gamelas. Posso cumprimentá-la ? 

sábado, 23 de dezembro de 2017

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

domingo, 17 de dezembro de 2017

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Paddington 2



Um dos milagres da paternidade: ficarmos fãs de um ursinho de peluche que vemos no cinema e que faz tudo por doce de laranja.

sábado, 9 de dezembro de 2017